O PEFI e sua Importância

O PEFI

Você está iniciando uma trilha dentro do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga (PEFI)! No mapa o balão vermelho indica sua localização, entre os bairros do Jabaquara, Ipiranga e o Município de Diadema. Aqui estão situadas as nascentes do Rio Ipiranga.

Ele é a maior Unidade de Conservação no interior da Cidade de São Paulo, com 526 ha, sendo gerenciado pela Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente do Estado de São Paulo.

Atualmente no PEFI estão localizados o CienTec, o Parque Zoológico de São Paulo, o Instituto de Botânica e seu Jardim Botânico.

Se você clicar para alternar para a fotografia de satélite (quadradinho à esquerda), verá que ele é uma mancha de vegetação entre o Parque Estadual da Serra do Mar, ao Sul (abaixo), e o Parque Estadual da Cantareira, ao Norte (acima).

Contaremos abaixo um pouco mais sobre sua importância para o meio ambiente e a sua saúde, das pessoas e da cidade.

Importância do PEFI - Teste seus conhecimentos

Será que você conhece bem porque as unidades de conservação da natureza são importantes para as pessoas e para o meio ambiente de forma geral? Complete o Quiz que apresentamos antes de ler o texto abaixo e veja se é um especialista no assunto ou não.

Diferença de um parque urbano e uma Unidade de Conservação

Embora o nome seja o mesmo, as unidades de conservação são totalmente diferentes de um parque destinado à recreação, como o Ibirapuera.

No parque destinado à recreação todas as espécies são retiradas, sobrando apenas algumas espécies de árvore, normalmente as maiores.

Unidades de Conservação são áreas com características naturais relevantes, criadas e protegidas pelo Poder Público com objetivos de conservação da natureza. Sua origem é baseada na legislação sobre direito ambiental, já presente na Constituição Brasileira. Veja neste link mais sobre esses princípios e normas.

Ressaltamos algumas de suas características:

Grande diversidade de espécies: Em uma unidade de conservação, todas as espécies são mantidas e protegidas. Há árvores de vários tamanhos, arbustos, plantas trepadeiras e epífitas, estas vivendo sobre as árvores em abundância. Assim é formado um ambiente denso e úmido, dentro de um labirinto de vegetação, com muitos ambientes diferentes, aos quais diferentes espécies de animais estão adaptadas. No CienTec podem ser vistos com facilidade, entre outros, macacos Bugios e Saguis, lagartos de diferentes tamanhos, cobras e diferentes espécies de aves, cada um deles ocupando um ambiente específico. Além disso, inúmeras outras espécies menos visíveis encontram alí as condições ambientais que preferem.

Equilíbrio e cooperação entre todos os seres vivos: Em ambientes naturais existe um equilíbrio e interação entre as todos os seres vivos que faz com que sua existência e integridade não dependa da interferência do homem. Um exemplo simples disso está na estrutura física da floresta, onde raízes e ramos estão organizados para se ancorarem mutuamente e se protegerem do vento. Dessa forma, no interior de uma área conservada é muito mais difícil a queda de uma árvore que em um parque destinado a recreação, onde elas estão isoladas.

Importância do PEFI para sua saúde

As unidades de conservação, como o PEFI, são muito importantes para a saúde de quem mora nas regiões onde elas estão localizadas. Muitos desses benefícios são desconhecidos para a maioria das pessoas. Ressaltamos alguns deles, entre muitos:

  • As plantas transpiram todo o tempo, retirando água do solo e colocando-a na atmosfera, na forma de vapor, em grande quantidade. Por exemplo, estudos realizados na Serra da Cantareira mostram que a quantidade de água que é colocada na atmosfera por hora é maior que a vazão do Rio Tietê no mesmo período. A atmosfera mais úmida reduz em muito as doenças respiratórias de quem mora em seu redor.

  • Quando transpiram, as plantas absorvem energia, reduzindo a temperatura. Dessa forma, pessoas que vivem nas proximidades de uma unidade de conservação estão em uma temperatura mais baixa do que aquelas que moram no centro das cidades, sem árvores. Essa diferença pode chegar a vários graus no verão.

  • As plantas das unidades de conservação absorvem as micropartículas de poluição em suspensão no ar. Essas partículas são responsáveis por doenças circulatórias. Estudos mostram que quem mora no entorno de uma unidade de conservação urbana tem uma chance até 25% menor de apresentar esse tipo de doença.

Estudos realizados na Coréia em 2014 mostraram que pessoas idosas que se exercitavam na floresta apresentaram melhora na pressão arterial, capacidade pulmonar e elasticidade pulmonar, enquanto aquelas que o faziam na cidade não tiveram benefícios. São indicados ainda vantagens causadas pelas substância de defesa das árvores, os fitocidas, que agiriam eliminando parte de nossos germes.

  • As áreas florestadas retêm água, que se transformam em nascentes, fonte de água pura fundamental para a saúde do homem. Por exemplo, várias nascentes situadas no PEFI, que inicialmente formam pequenos riachos, depois se unem para formar o Rio Ipiranga, que cruza a Cidade de São Paulo.

Como você deve ter percebido, quem mora perto do PEFI, ou de outra unidade de conservação, tem um patrimônio impagável, que beneficia em muito a sua saúde. Vamos cuidar bem dele.

Importância do PEFI para a conservação da natureza e biodiversidade

O PEFI é, com seus 526 ha de Mata Atlântica, a terceira unidade de conservação (UC) em tamanho do Município de São Paulo, sendo menor apenas que o Núcleo Curucutú do Parque Estadual da Serra do Mar (12.029 hectares) e o Parque Estadual da Cantareira (7.900 hectares). Entretanto, é a única totalmente inserida dentro da metrópole, sendo um oásis de vida cercado pelo concreto. Um número impressionante de espécies de árvores, ao redor de 380, ocorre na reserva.

Por sua localização entre o Parque Estadual da Serra do Mar, que está ao sul e o Parque Estadual da Cantareira, que está ao norte, tem grande importância para a preservação por aproximar essas duas regiões. Por esse motivo atua como corredor ecológico para aves, reduzindo o comprimento de área metropolitana habitada e sem vegetação que elas tem que cruzar. Algumas espécies de pássaros se alimentam nas demais UCs mas utilizam como abrigo noturno as árvores do PEFI. Outras vivem e se alimentam no próprio parque, que possui uma abundância de plantas frutíferas. Uma terceira categoria consiste nas espécies migratórias que percorrem longas e complexas rotas fugindo do frio das regiões mais ao sul durante o inverno e ocasionalmente fazem sua parada no PEFI. As mais comuns são aves aquáticas, que gostam dos lagos presentes no parque.

Estudos realizados pela equipe do Zoológico de São Paulo revelaram que há 157 espécies de aves no PEFI, das quais 21 são consideradas endêmicas da Mata Atlântica, só sendo encontradas nesse bioma, bem como nove estão ameaçadas de extinção.

Estudos feitos pela equipe do Zoológico de São Paulo mostraram a existência de 26 espécies nativas de mamíferos, sendo 11 de morcegos, sete de roedores, cinco de marsupiais, além do tatu e preguiça e uma de primata. O animal considerado como símbolo do CienTec é o Bugio Ruivo, que pode ser visto em bandos andando pela copa das árvores e se alimentando dos seus frutos. Bugios, morcegos e outros animais são fundamentais para a dispersão das sementes e manutenção da flora nativa. Outros mamíferos nativos que chamam atenção são o gambá e a preguiça. Duas outras espécies de primata, não nativos, são o sagui-de-tufo-branco e o sagui-de-tufo-preto.

Existem ainda 25 espécies de anfíbios anuros e 25 de répteis, entre sapos, rãs, lagartos e serpentes. O lagarto de maior destaque, por seu tamanho, é o Teiú, que pode ser visto caminhando nas ruas do CienTec à procura de seu alimento mais querido, os ovos de aves, além de frutas e verduras. Dentre as cobras, a Jararaca é a única que é venenosa. O cágado e outras especies de tartaruga aquáticas são fundamentais para a manutenção e desobstrução do sistema hídrico ao se alimentarem das plantas aquáticas.

O PEFI é um fragmento de Mata Atlântica em recuperação. No início do século XX parte da área era originalmente ocupada por sítios e chácaras, sendo possível ainda se encontrar pés de café no meio da vegetação recuperada. Entretanto, regiões preservadas, com árvores centenárias, ainda existiam. Com a aquisição da área pelo governo e a criação do Parque do Estado, a mata teve oportunidade de se recuperar a partir desses remanescentes. O objetivo inicial do parque era a preservação das nascentes do Rio Ipiranga, cujas águas eram utilizadas como suprimento hídrico desse bairro. A transformação do parque em unidade de conservação, já com o nome de Parque Estadual das Fontes do Ipiranga só ocorreu em 1969.

Veja maiores informações em Silva & Rancura (2020) PARQUE ESTADUAL DAS FONTES DO IPIRANGA: Biodiversidade, Conservação e Educação. São Paulo, Fundação Parque Zoológico de São Paulo, 257pp., livro eletrônico.

Primatas - o Bugio Ruivo é considerado o símbolo do CienTec. Bandos desses nossos "parentes" primatas podem ser encontrados andando pela copa das árvores e se alimentando dos seus frutos, como vemos nessas imagens. Pontes foram construídas sobre a Av. Miguel Stéfano para permitir sua circulação entre o Instituto de Botânica e o CienTec.

O sagui-de-tufo-branco e o sagui-de-tufo-preto são outras espécies de primatas que podem ser avistadas no parque, mas não são espécies nativas.

Aves - muitas espécies de aves vivem no PEFI ou o utilizam como refúgio temporário. Aves migratórias, como os patos selvagens, são frequentemente avistadas no seu lago.

Os frutos, sementes e pequenos animais do parque servem como alimento.

Nas imagens mostramos duas espécies muito comumente avistadas, o Carcará (sobre a grama) e o Tucano (na árvore).

Vegetação - a região onde se encontra o PEFI era, no início do Século XX, bem menos florestada do que nos dia de hoje. Parte da área era originalmente ocupada por sítios e chácaras, sendo possível ainda se encontrar pés de café no meio da vegetação. A imagem mostra seus frutos amarelo-avermelhados.

Entretanto, regiões preservadas, com árvores centenárias, ainda existiam e se mantém até hoje. A partir de sua transformação em unidade de conservação as áreas desflorestadas vêm se recuperando gradativamente, formando uma floresta secundária com grande diversidade de árvores, arbustos, lianas, epífitas e fungos decompositores, entre outros.

O visitante pode encontrar espécies de grande beleza, como o Ipê , na imagem florido em cor amarela.

Ao longo das atrações virtuais da Trilha das Fontes do Ipiranga poderemos ver o tema "Plantas e a Água" que mostra a diversidade de adaptações das plantas para absorverem e manterem a água em seus organismos.

Além de serem o grupo com maior diversidade do PEFI, as plantas são fundamentais ao dar abrigo e alimento aos demais organismos.

Autoria:

Flávio Berchez, Célia Issa Becker & Edna Fialho (2020) O PEFI e sua Importância.